CONVERSAÇÕES FILOSÓFICAS SOBRE A PERFORMANCE ALQUIMIA E A DESTERRITORIALIZAÇÃO DE UM ARTISTA

  • Nayara Lopes Botelho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - Campus Gurupi

Resumo

Este artigo é o primeiro capítulo de meu trabalho de conclusão de curso em Artes Cênicas, onde a pesquisa se deu através da montagem da performance Alquimia. Alquimia é a relação necessária entre o homem e a natureza, o homem necessita compreender através de afectos, perceptos e conceptos que, o elixir da vida está na relação harmoniosa entre a natureza e seus elementos. Por isso, o arquétipo Caipora é a personagem principal dessa performance, como mito regional que enfrenta e se revolta com o ser humano, grande destruidor da matéria-prima da vida: a natureza. Baseado essencialmente em Deleuze e Guattari, Dewey e Bártolo esse artigo visa conversar a respeito do processo de devir, a desterritorialização do corpo da artista que montou e encenou a performance, construção de um CsO e sua consequente territorialização.

Biografia do Autor

Nayara Lopes Botelho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - Campus Gurupi
Nayara Lopes Botelho, é licenciada em Artes Cênicas pelo IFTO - Campus Gurupi. Já teve trabalhos acadêmicos aprovados no ENALIC 2013, INCREA 2013 e Simpósio de Educação da UFG 2013. Foi aluna bolsista do PIBID-Capes, subprojeto Encenando o Texto.
Publicado
2018-05-15
Como Citar
BotelhoN. L. (2018). CONVERSAÇÕES FILOSÓFICAS SOBRE A PERFORMANCE ALQUIMIA E A DESTERRITORIALIZAÇÃO DE UM ARTISTA. REVISTA CEREUS, 10(1), 16-28. Recuperado de http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/1306
Seção
Artigos