INVESTIGAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE EM FRUTOS DO CERRADO TOCANTINENSE

  • Donizete Xavier Silva Universidade Federal do Tocantins.

Resumo

O cerrado tocantinense possui uma gama diversificada de frutos, os mesmos foram a base da alimentação dos primeiros habitantes do Brasil, os índios. Alguns desses frutos são comercializados em beiras de rodovias e em feiras locais em períodos de safra, são bastante apreciados pela população, devido apresentarem sabor agradável e marcante, além de possuírem alto valor nutritivo. Esse trabalho teve como objetivo determinar atividade antioxidante, composto fenólicos Totais, vitamina C e caracterização química dos seguintes frutos do cerrado Tocantinense: Cajuí (Anacardium humile), Pequi (Caryocar brasiliense), Cagaita (Eugenia dysenterica), Jatobá (Hymenaea stigonocarpa), Buriti (Mauritia vinifera), Mangaba (Hancornia speciosa), Murici (Byrsonima verbascifolia), os quais, formam colhidos em Palmas –TO ou obtidos em feiras locais provenientes de outros municípios, obedecendo o período de safra dos mesmos.  Para as análises de atividade e compostos fenólicos obteve-se os extratos metanólicos desses furtos. Os frutos do cerrado analisados demonstraram possuir características químicas que possibilitam sua utilização na indústria de alimentos. Os frutos que se destacaram pelo conteúdo de fenólicos totais para o extrato metanoico foram Jatobá, Buriti e Cajuí. Os frutos que demonstraram maior poder antioxidante foram o Murici, Mangaba e Buriti. Os frutos que apresentaram maior teor de ácido ascórbico (vitamina C) foram Pequi, Mangaba e Cagaita, respectivamente.

Biografia do Autor

Donizete Xavier Silva, Universidade Federal do Tocantins.
Licenciatura e bacharelado em química, mestrado e doutorado na área concentração físico-química.
Publicado
2020-04-04
Seção
Artigos