ESTUDO DO PERFIL ETIOLÓGICO DA MENINGITE BACTERIANA NO ESTADO DO TOCANTINS

  • Mohanna Damasceno Arbués Universidade Federal do Tocantins
  • Victor Rodrigues Nepomuceno Universidade Federal do Tocantins.
  • Tiago Veloso Neves Universidade Federal do Tocantins.
  • Poliana Guerino Marson

Resumo

Objetivo: analisar o perfil etiológico da meningite bacteriana no estado do Tocantins. Métodos: estudo retrospectivo, transversal, de natureza quantitativa, realizado através de levantamento de dados provenientes do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Tocantins (LACEN-TO), no período de 2010 a 2017, em relação à realização de culturas de líquido cefalorraquidiano (LCR) para o diagnóstico laboratorial de meningite bacteriana. Resultados: foram realizadas 2041 culturas de LCR, havendo um baixo crescimento bacteriano. O grupo bacteriano com maior crescimento dentre as culturas positivas foi o dos Staphylococcus coagulase negativos (SCN), principalmente o S. epidermides. Dentre as bactérias de importância a saúde pública, a de maior incidência foi Streptococcus pneumoniae (sorotipo 3 e 19A), acometendo consideravelmente indivíduos do sexo masculino e abaixo de 60 anos. Conclusão: o principal agente etiológico da meningite bacteriana no estado do Tocantins, de importância à saúde pública, no período estudado foi o S. pneumoniae. Destaca-se a multirresistência aos antibióticos apresentada pelo S. pneumoniae sorotipo 19A.

Biografia do Autor

Mohanna Damasceno Arbués, Universidade Federal do Tocantins
Biomédica, Microbiologista e Esteta, mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Tocantins.
Victor Rodrigues Nepomuceno, Universidade Federal do Tocantins.
Professor Doutor do curso de Medicina e do PPG em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Tocantins.
Tiago Veloso Neves, Universidade Federal do Tocantins.
Fisioterapeuta, especialista em ambiente organizacional, sáude e ergonomia, mestre em Ciências da Saúde.
Poliana Guerino Marson
Professora Doutora do curso de Medicina e do PPG em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Tocantins.
Publicado
2019-11-13
Seção
Artigos