PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE BRUCELOSE HUMANA NOTIFICADOS NO MUNICÍPIO DE ARAGUAÍNA/TO, NO PERÍODO DE 2010 A 2016

  • Natália De Freitas Sousa Programa de Pós-graduação de Sanidade Animal e Saúde Pública nos trópicos/Universidade Federal do Tocantins - UFT/ Secretária Municipal de saúde de Araguaína
  • Helciléia Dias Santos Programa de Pós-graduação de Sanidade Animal e Saúde Pública nos trópicos/Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Katyane De Sousa Almeida Programa de Pós-graduação de Sanidade Animal e Saúde Pública nos trópicos/Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Bruna Alexandrino Programa de Pós-graduação de Sanidade Animal e Saúde Pública nos trópicos/Universidade Federal do Tocantins - UFT

Resumo

O presente estudo teve como objetivo traçar o perfil epidemiológico da brucelose humana na região de Araguaína- TO, através da análise das fichas de notificação/investigação de pacientes atendidos no município no período de 2010 a 2016. Dos 636 casos suspeitos, 44 (6,91%) foram confirmados, 59,09% residentes no município de Araguaína e 40,91% de outras localidades. A média de incidência foi de 2,3 casos ao longo do período e a faixa etária de 21 a 40 anos foi a mais acometida (8,5% IC=5,3% - 11,5%), com média de idade de 36 anos. Houve associação positiva para o sexo masculino, residentes de zona rural, pacientes com ensino superior, contato com tecidos, secreções e/ou animais infectados e contato com vacina B19 ou RB51. Trabalhadores de frigoríficos apresentaram seis vezes mais chances de contrair a infecção e a febre, mal estar, fraqueza, cefaleia, sudorese e perda de peso, foram os principais sintomas encontrados nos pacientes. Conclui-se que a doença no município de Araguaína- TO é endêmica, visto a positividade encontrada em todos os anos do estudo. Os achados deste estudo possibilitaram um maior conhecimento do agravo, porém há a necessidade de realizações de mais estudos epidemiológicos acerca da doença

Publicado
2020-04-04
Seção
Artigos