Professor universitário: percepções acerca das demandas e recursos de seu trabalho

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo investigar as percepções dos professores universitários sobre a reestruturação de seu trabalho e suas implicações para sua vida laboral e pessoal. Para tal, o estudo ancorou-se na Teoria de Demandas e Recursos (JD-R). Trata-se de uma pesquisa qualitativa, onde a análise dos dados, das seis entrevistas semiestruturadas, foi realizada no software Iramuteq, através da Análise de Similitude. Os resultados sugerem que organização do trabalho tem levado a desgastes pelo desequilíbrio entre demandas e recursos. Porém, a utilização de recursos (do trabalho e pessoais), ações de redesenho do trabalho e o sentido do trabalho são importantes fatores para diminuir demandas e proteger a saúde docente.

Biografia do Autor

Paula Andréa Prata-Ferreira, Universidade Salgado de Oliveira
Paula Prata é psicóloga e professora. Doutoranda e Mestre em Psicologia Social com a dissertação "Burnout em professores universitários" (UNIVERSO - 2016). Graduada em Psicologia (UNESA - 2012). É especialista em Hipnose Clínica (IBH/RJ - 2015). Atualmente trabalha como Psicóloga Clínica (CRP 05/44812). Mestre em Sistemas de Informação na linha de Informática, Educação e Sociedade (UFRJ/IM/NCE - 2009) com a dissertação "Um Projeto Arquitetural para Sistemas Neuropedagógicos Integrados". É especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (UFF - 2013) e em Análise e Projeto de Sistemas (PUC-Rio - 2004). Em Educação a Distância atua como Coordenadora de Tutoria e Orientadora de TFC no Laboratório de Novas Tecnologias de Ensino (LANTE / UFF), Fundação CECIERJ e FGV Online. Graduada em Matemática (UFF - 1996). É Articuladora Pedagógica do Projeto CEJA (SEEDUC/RJ). 
Ione Vasques-Menezes, Universidade Salgado de Oliveira
Possui graduação em Psicologia pelo Centro Universitário de Brasília (1978) e doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília (2005). Atualmente é psicologa da Universidade de Brasília, pesquisador assoc-prof colab da Universidade de Brasília, professor da pós-graduação em psicologia da Universidade Salgado de Oliveira e professor de pos-graduação em psicologia da Universidade Salgado de Oliveira. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Saúde Mental e Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: burnout, saúde mental e trabalho, diagnostico do trabalho, trabalhadores em educação e diagnóstico integrado do trabalho.
Clarissa Pinto Pizarro de Freitas, Universidade Salgado de Oliveira
Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/2016), Professora do Pós-Graduação de Psicologia na Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), graduada em Psicologia pela Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões ? URI Campis Santo Ângelo (2010), Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental (2012), Mestre em Psicologia (2013), membro do Centro de Estudos Psicológicos CEP-Rua, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicologia Organizacional e do Trabalho (NEPOT) e Grupo de Pesquisa em Violência, Vulnerabilidade e Intervenções Clínicas (GPeVVIC). Realizou estágio de Doutorado na North-West University (África do Sul), onde desenvolveu atividades de pesquisa, supervisão e docência junto ao Laboratório de Psicologia Positiva Optentia (Optentia Research Focus). Tem experiência nas áreas de psicologia positiva, psicologia organizacional e adaptação de instrumentos. Atualmente trabalha na adaptação de instrumentos e avaliação de evidências de validade para investigar características positivas e de bem-estar. Além disso, realiza pesquisas para investigar a efetividade de intervenções baseadas em Psicologia Positiva e Psicologia Organizacional Positiva. 
Publicado
2020-10-16
Seção
Artigos