Associação entre biofilme bucal e aspirado traqueal em pacientes com pneumonia associada à ventilação mecânica

  • Poliana Guerino Marson Universidade Federal do Tocantins
  • Nepomuceno, V. R. Universidade Federal do Tocantins/PPG Ciências da Saúde https://orcid.org/0000-0002-0619-2133
  • Frederico Eugenio Universidade Federal do Tocantins/PPG Ciências da Saúde
  • Thuane Neves Neves
  • Marcos Gontijo da Silva
  • Marília Pontoja Soares
  • Ana Paula Mundim

Resumo

A pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) é uma infecção relacionada à assistência à saúde que desafia órgãos de controle de infecções hospitalares por estar associada a altas taxas de mortalidade. Objetivou-se identificar a etiologia bacteriana pulmonar de pacientes que desenvolveram PAV, correlacionando às bactérias patogênicas da cavidade bucal dos pacientes internados na UTI do Hospital Regional de Gurupi, submetidos à higiene bucal. Foram realizadas culturas do aspirado traqueal e cavidade bucal nesses pacientes, sendo que 18 deles foram submetidos à higiene bucal com clorexidina 0,12% e 12 submetidos à higiene com água destilada. Às culturas do aspirado traqueal de 13 pacientes foram positivas, predominando Pseudomonas aeruginosa e Citrobacter freundii. Na cavidade bucal houve a presença de potenciais patógenos causadores de PVA, predominando Staphylococcus aureus e Streptococcus sp. Nos pacientes higienizados com clorexidina, apenas 27,7% apresentaram cultura positiva na cavidade bucal, contra 100% dos pacientes higienizados com água destilada. Em dois pacientes foi encontrado Citrobacter freundii, tanto no aspirado traqueal quanto na cavidade bucal. A cavidade bucal pode ser um reservatório de potenciais patógenos da PAV e o controle de biofilme bucal se faz necessário como ação na prevenção, sendo a clorexidina 0,12% eficaz neste controle.

 

Palavras-chave: Pneumonia, Clorexidina, Infecção hospitalar. Higiene bucal. Unidade de terapia intensiva. Biofilme.

Biografia do Autor

Poliana Guerino Marson, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Biotecnologia e mestre em Bioqímica. Farmacêutica/Bioquímica formamada na UFPR.

Docente do Curso de Medicina na Universidade Federal do Tocantins desde 2008. Também é docente permanente no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde.  Áreas de conhecimento: farmacologia, produtos naturais, química de moléculas e analises clinicas.

Publicado
2020-10-19
Seção
Artigos