TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA: RESSONÂNCIAS EMOCIONAIS E RESSIGNIFICAÇÃO DA RELAÇÃO MÃE-FILHO

  • Hiara Bodas Lopes Universidade de Gurupi - UnirG
  • Ildaiane Cristina Menezes Universidade de Gurupi - UnirG
  • Ellen Fernanda Klinger Universidade de Gurupi - UnirG http://orcid.org/0000-0002-6202-7618
  • Jaqueline Sayuri Suzuki Universidade de Gurupi - UnirG

Resumo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma psicopatologia cujos sinais estão presentes nos primeiros 36 meses de vida da criança, tendo como características manifestações na esfera comportamental, déficits na comunicação e interação social, padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados e repertório restrito de interesses e atividades. Tais sintomas podem se apresentar em menor ou maior grau de comprometimento e afetam o indivíduo com o transtorno e as pessoas diretamente envolvidas no seu cuidado. Este estudo objetivou compreender as repercussões emocionais vivenciados pela mãe. Para a coleta de dados, foram realizadas entrevistas semiestruturadas e aplicados os Inventários Beck de Depressão, Ansiedade e Desesperança, com mães de crianças autistas. As escalas foram analisadas e as entrevistas foram transcritas, sendo empregada a análise de conteúdo. Dentre os resultados, destacaram-se como sentimentos mais presentes durante a investigação, e após o fechamento do diagnóstico o desespero, tristeza, desanimo e culpa. Após o choque inicial do diagnóstico e o luto diante da nova perspectiva, a necessidade de ressignificação da relação com o filho. O acompanhamento e suporte profissional desde o momento que precede o diagnóstico, suspeita, durante e após se fazem imprescindíveis tanto as crianças autistas, quanto para os familiares, em especial à mãe.

 

Palavras Chave: Família; Diagnóstico; Autismo.

Biografia do Autor

Hiara Bodas Lopes, Universidade de Gurupi - UnirG
Psicóloga graduada pela Universidade de Gurupi - UnirG
Ildaiane Cristina Menezes, Universidade de Gurupi - UnirG
Psicóloga graduada pela Universidade de Gurupi - UnirG
Ellen Fernanda Klinger, Universidade de Gurupi - UnirG
Psicóloga, Doutoranda em Psicologia pela PUC GO, docente no curso de Psicologia da Universidade de Gurupi - UnirG
Jaqueline Sayuri Suzuki, Universidade de Gurupi - UnirG

Psicóloga, Mestranda em Ciências da Saúde pela UFT, docente no curso de Psicologia da Universidade de Gurupi - UnirG

Publicado
2019-08-08
Seção
Artigos