INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS E DESENVOLVIMENTO DE DOENÇA CARDIOVASCULAR EM UNIVERSITÁRIOS: UM MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO

  • Karolina Andrade Caetano CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG http://orcid.org/0000-0002-1815-3772
  • Isabella de Almeida Flores CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Pedro Augusto Peçanha Vilarinhos CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Daysa de Carvalho Fonseca CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Eduardo Rodrigues Teixeira Martins CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Hugo Possimoser Brandão CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Ana Flávia Ribeiro de Sousa CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
  • Letícia Rodrigues Teixeira Silva Universidade de Brasília

Resumo

Indicadores antropométricos tem sido utilizados para a avaliação do risco de doença cardiovascular, contudo a maioria dos estudos sobre a temática não tem se dedicado a investigar a população de jovens-adultos. Diante de tal panorama, a presente pesquisa tem o objetivo de analisar como se dá a produção do conhecimento sobre indicadores antropométricos, em especial, analisar como tal produção traça relações com o desenvolvimento de doenças cardiovasculares em estudantes universitários. Foi realizada uma revisão de literatura que tematizavam indicadores antropométricos, a saber, índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (CC) e relação cintura quadril (RCQ), em universitários. Os resultados demostram escassez na produção do conhecimento sobre a temática no que se refere a amostras, diversidade de pesquisas nas regiões brasileira, no volume veiculado.   A maioria dos estudos encontraram populações propensas a desenvolver DCV, entre elas: elevação da pressão arterial, síndrome metabólica e alterações do perfil lipídico (triglicerídeos e HDL). No entanto, a literatura ainda diverge sobre qual seria o melhor parâmetro a ser utilizado para esse fim. O indicador antropométrico mais utilizado foi o IMC, seguido pelo CC e o menos usado foi o RCQ. Que seja registrada a necessidade de acompanhar a população universitária, através da utilização dos índices antropométricos a fim de alertar a comunidade dos riscos de DCV em jovens adultos. Indica-se, especialmente, a realização de pesquisas do tipo nas regiões norte e centro-oeste do Brasil. Palavras-Chave: Indicadores Antropométricos, Doença Cardiovascular, Jovens-Adultos.

Biografia do Autor

Karolina Andrade Caetano, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduanda do curso de medicina UNIRG
Isabella de Almeida Flores, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduanda do curso de medicina UNIRG
Pedro Augusto Peçanha Vilarinhos, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduando do curso de medicina UNIRG
Daysa de Carvalho Fonseca, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduanda do curso de medicina UNIRG
Eduardo Rodrigues Teixeira Martins, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduando do curso de medicina UNIRG
Hugo Possimoser Brandão, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduando do curso de medicina UNIRG
Ana Flávia Ribeiro de Sousa, CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
Graduanda do curso de medicina UNIRG
Letícia Rodrigues Teixeira Silva, Universidade de Brasília
Mestre em Educação Física. Doutoranda do curso de Educação Física na Universidade de Brasília, membro do NECON e bolsista CAPES.
Publicado
2018-05-15
Como Citar
Andrade CaetanoK., de Almeida FloresI., Peçanha VilarinhosP. A., de Carvalho FonsecaD., Rodrigues Teixeira MartinsE., Possimoser BrandãoH., Ribeiro de SousaA. F., & Rodrigues Teixeira SilvaL. (2018). INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS E DESENVOLVIMENTO DE DOENÇA CARDIOVASCULAR EM UNIVERSITÁRIOS: UM MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO. REVISTA CEREUS, 10(1), 111-129. Recuperado de http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/1555
Seção
Artigos